Cientistas usam droga para conter o avanço do tumor de mama

Um dos mistérios mais estudados na oncologia é o crescimento acelerado de tumores. Segundo cientistas, entender essa diferenciação pode ser estratégico para enfrentar a doença com mais eficácia. Uma equipe de pesquisadores canadenses identificou uma proteína envolvida na proliferação de células cancerígenas e conseguiu bloqueá-la usando medicamentos e intervenções genéticas. Os resultados promissores foram publicados na revista britânica Nature Communications.

Os cientistas observaram que YAP e TAZ (proteínas que são conhecidas como promotoras de diversos tipos de câncer) ativam outra proteína, a NUAK2. “Descobrimos que um subgrupo de pacientes tem altos níveis de NUAK2 nos tumores e também o mesmo fenômeno em cancros extremamente agressivos”, explica, em comunicado, Liliana Attisano, uma das autoras do estudo, pesquisadora do Centro Donnelly de Pesquisas, no Canadá.

A equipe também investigou se seria possível interferir na ação da NUAK2 e, dessa forma, frear o crescimento dos tumores. Usando drogas e abordagens para o silenciamento do gene que codifica a proteína, os pesquisadores conseguiram retardar a expansão de células de câncer de mama in vitro e também reduziram tumores de mama em camundongos.

Eles acreditam que uma abordagem semelhante à realizada nas células em cultura e em ratos poderá ter como alvo carcinomas agressivos em humanos. “Se você verificar o tumor do paciente e detectar altos níveis de proteína NUAK2, talvez, possa tratá-los com inibidores de NUAK2”, destaca Liliana Attisano. “O objetivo final é encontrar uma droga que funcione nas pessoas”.

Fonte: Portal Correio Braziliense

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *