Sentir-se jovem é o primeiro passo para se manter jovem

Estudo mostra que idade subjetiva tem reflexo no envelhecimento

A ciência deu mais um passo para demonstrar que pessoas mais velhas que se sentem mais jovens do que realmente são apresentam menos sinais de envelhecimento do cérebro se comparadas com aquelas que reconhecem o peso da idade ou até se sentem mais velhas. O estudo, publicado em junho pelo periódico científico “Frontiers in Aging Neuroscience”, partiu de uma questão que intrigava o médico Jeanyung Chey, da Universidade da Coreia do Sul: a idade subjetiva é apenas um sentimento ou se reflete na forma como nossos corpos envelhecem?

É comum que os idosos tenham algum tipo de declínio cognitivo e o exame do cérebro aponta esses problemas, como, por exemplo, a redução do volume de massa cinzenta. O doutor Chey e seus colegas submeteram 68 pessoas entre 59 e 84 anos – todas gozando de boa saúde – a ressonâncias magnéticas. O grupo também foi avaliado pela equipe e respondeu a questionários sobre a percepção que cada um tinha da própria saúde. Aqueles que se sentiam mais jovens apresentaram melhor desempenho nos testes de memória e não relatavam sintomas de depressão. Além disso, tinham mais massa cinzenta em áreas-chave.

Os pesquisadores usaram a ressonância para calcular a idade cerebral dos participantes e, como declarou o doutor Chey, “descobrimos que as pessoas que se sentiam mais jovens tinham a estrutura de um cérebro mais jovem.  Nesse caso, investir em hábitos saudáveis poderia contribuir positivamente para o segundo grupo.

Fonte: Portal G1

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *